Quem é Matheus Babi e qual a diferença dele para Renato Kayser?

Depois de uma negociação um pouco enrolada, foi confirmada hoje a contratação de Matheus Babi por aproximadamente 12 milhões de reais por 70% do passe do jogador.


Após a desistência do Fluminense na negociação com o jogador, o caminho ficou livre para o Athletico contratá-lo, que precisou esperar um acordo entre o clube e o Botafogo (clube ao qual está emprestado) para finalmente firmar um contrato com o Furacão.

Desde as primeiras notícias sobre esse assunto, algumas perguntas tomaram as redes: Quem é Matheus Babi? O que (e quanto) jogou no Botafogo? O que dizem os jornalistas e comentaristas? Por esse motivo, fizemos um compilado de algumas respostas para conhecermos um pouco melhor o novo reforço do Athletico.


Nascido em Macaé, Babi representou o Macaé Esporte quando jovem. Ele fez sua estreia na equipe em 2016, entrando como um substituto no segundo tempo para Yuri na derrota por 3-1 no Campeonato Carioca fora de casa contra o Volta Redonda. Em maio de 2016, Babi assinou seu primeiro contrato profissional, concordando com um acordo até maio de 2018. Treze dias depois, ele fechou um contrato de empréstimo com o Grêmio até dezembro de 2017, e foi transferido de volta para a Seleção Sub-20.


Em números brutos, Babi jogou 34 partidas do Brasileirão 2020, fazendo 10 gols e acertando 70% dos seus passes, demorando 221 minutos para fazer um gol em uma média de 0.29 gols por jogo (e 1,4 chutes por jogo). Joga principalmente como centroavante e fará concorrência a Renato Kayser e Guilherme Bissoli no ataque do Furacão.


Para facilitar o entendimento, comparamos os números dele com nosso principal centroavante hoje, Renato Kayser, que jogou um pouco menos, 32 partidas, porém fez 11 gols e acertou 72% dos passes, demorou 223 minutos para fazer cada gol em média, com 0,34 gols por jogo e 1,6 chutes por jogo. Seus números são minimamente melhores do que os do jogador botafoguense.

O jogador de 23 anos tem boa relação com Paulo Autuori, sendo esse seu treinador em sua estreia oficial pelo time carioca, inclusive marcando na ocasião, contra o Bragantino, pela segunda rodada do Brasileirão 2020, essa proximidade com nosso diretor de futebol pode facilitar a vinda dele para cá.


No alto de seus 1,91m, seria óbvio que seria um bom cabeceador (⅓ de seus gols na carreira foram marcados de cabeça), porém também é um jogador habilidoso com as pernas: ambidestro, tem uma longa lista de elogios de seus ex-treinadores, a começar por Josué Teixeira, um dos seus primeiros técnicos:


“É um jogador de muita qualidade técnica e vai crescer muito. É ambidestro, só precisa trabalhar mais um pouco o cabeceio dele. Mas tem boa velocidade, sabe fazer o pivô, o que é importante para alguém grande como ele, para fazer a proteção.”

Qualidades também destacadas por seu treinador no América-RJ, Ney Barreto


“O Babi é um menino extremamente técnico. É um jogador que tem bons fundamentos na finalização do cabeceio. E, apesar do tamanho, não é lento. Ele tem boa mobilidade, se movimenta bem, tem habilidade. Repito: ele não é só alto, não joga só na referência. Ele pode cair pelos lados também, essas são as características de jogo dele”

Até mesmo mais recente, já na temporada 2021 jogando o Campeonato Carioca tem recebido muitos elogios de Marcelo Chamusca, atual treinador do Botafogo, como após o empate contra o Madureira, pela sétima rodada da competição, onde realizou o gol de empate do time alvinegro:


“O jogador tem sido um atleta exemplar dentro da minha gestão, chega todos os dias no horário, é um dos primeiros jogadores sempre no treinamento, tem se empenhado muito. Estava, inclusive, ansioso para voltar a fazer gols. O espírito e número de bolas que o Babi recuperou no jogo hoje foi incrível, ajudou demais o time na fase defensiva e foi importante ao fazer o gol do empate”

Boas credenciais ele tem. E agora com sua vinda para Curitiba certa, resta-nos aguardar a estréia na nossa equipe e torcer para que seja um bom reforço para nosso time, que entre para fazer gols ou que, pelo menos, seja uma boa sombra para Renato Kayser.

Texto: LAB da Furacão LGBTQ

Áudio Descrição: Flávio Mueller


0 comentário